8/19/2015 09:49:00 AM




#IntimasDaTransição - Karla Ane , 21 anos , Fortaleza-Ceará



Gente meu cabelo era muito enrolado quando criança, eram as famosas molinhas 
hahaha  lembro que odiava qualquer coisa que envolvessem pentear cabelo , sem contar os
apelidos.




Minha mãe adorava meus cabelos , achava lindo (como a maioria das mãe).Mas o que eu queria mesmo era o cabelo liso, o ondulado sem frizz , que escorria pelo rosto como aqueles das princesas dos desenhos, que você corria, suava, caia mais ele sempre estava lá lindo e arrumado.Talvez isto acontecia pelo grande apelo da mídia e o tão falado padrão de beleza , mas acredito que o meu problema mesmo era a auto aceitação, porque quando você está feliz consigo mesma o mundo pode ditar o PADRÃO DE BELEZA que quiser mais você não aceita porque se ama e gosta do seu estilo independente do que falam ou ditam.
 Lembro que na minha adolescência eu usava o cabelo todo lambido hahahah com muito creme para dar a aparência de ondulado e se possível sempre molhado, que horror!!! Se secasse eu recorria a famosa pia e molhava de novo e assim era todo o meu dia secava, molhava  e o problema maior era que minha mãe não deixava alisar , o que me deixava bastante chateada, porque era aquela fase que toda menina gosta de se arrumar, ficar pomposa.Eu gostava do jeito que ele era . só não gostava do friz que ele tinha. E para amenizar recorria ao uso do relaxamento, ia ao salão de 6 em 6 meses porém eu mesma fazia em casa de 3 em 3 meses (malucaaaa é eu sei rs ), cortava toda vez que tinha vontade, eu mesma em casa e pintava muito de preto azulado tudo ao mesmo tempo o que  danificava meus cachos.








Porem em uma das idas ao salão para minha alegria a cabeleireira alisou meu cabelo, sim alisou sem minha mãe autorizar (fato a que deixou  maluca de raiva e eu hiper feliz ). Lembro que eu tinha 14 anos e fiquei muito feliz com o resultado finalmente eu tinha o cabelo lindo, liso e longo com efeito passarela.






Fiquei muito tempo usando ele liso com diversos tipos de corte e cores.









Até que veio a insatisfação em passar horas no salão para o processo de alisamento, as dores de cabeça, o cabelo quebradiço, por diversas vezes meu cabelo torou, caiu ,fiquei com partes do couro cabeludo falhado e sem contar que virei  escrava da chapinha e do babyliss , se fosse para sair eu só me sentia bem se fizesse chapinha, banho de piscina nem pensar, dia de chuva me deixava atormentada (ih choveu cabelo encolheu)
bem assim, Nossa era horrível. 
Um belo dia acordei e ao pentear meu cabelo veio uma mecha inteira de cabelo no pente o que me deixou bastante assustada e meus cabelos já estavam ralos , sem vida  foi aí que resolvi parar com a química e diminuir o uso da chapinha.
Até que passei a fazer chapinha somente nos finais de semana só para não ficar assustando o povo pelo caminho rs. Mas mesmo assim meu cabelo quebrava do nada, eu saia de casa e durante o dia minha roupa ficava cheia de cabelo como se tivesse acabado de fazer um corte mas na verdade eram meus cabelos quebrando. 



A partir daí resolvi assumir meu cabelo natural, costumo dizer que não assumi ele por vontade própria mas por compaixão ao pedido de socorro do meu cabelo. Como faziam alguns meses que não alisava resolvi iniciar a transição, iniciei dia 03/12/2014 (mês mais festivo do ano o que me deixou mais apavorada rs :*). No ínicio foi doloroso até porque sou a feminilidade em pessoa  e me achava ridícula de cabelo amarrado, a qual foi a forma que achei para enfrentar a transição capilar.




Eu usava muito coque, depois fui me acostumando com a ideia e passei a pesquisar formas de deixar ele cacheado , foi aí que descobri algumas texturizações, tônicos para crescimento e alguns grupos de meninas que também estavam passando pela transição que foi algo que me ajudou muito, inicialmente eu pensava em fazer o BC com 1 ano porém acabei fazendo em 3 meses.






Fiz meu BC dia 14/03/15, atualmente estou com 5 meses de bc e muito feliz com o resultado.Eu estou adorando, sem contar com a mudança que esta atitude tem feito em minha vida, eu sei que a atitude de assumir meus cabelos foram também a atitude de assumir minha ancestralidade, minhas origens , foi assumir que sou uma pessoa em formação e que para aceitar o outros com suas diferenças e peculiaridades primeiro tenho que aceitar as minhas!














 E é isso , espero que tenham gostado , essa é a minha história <3

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários